22/11/07

M'Espanto às Vezes, Outras M'Avergonho e não, não Vou de Novo Meter-me com o Pacheco Pereira. É outra Coisa

O caso é este: «Em Dezembro, fará agora um ano, uma criança de 4 anos, em Waco, Texas, foi acusada e declarada culpada de assédio sexual numa escola local. Segundo a imprensa, a criança encostou o rosto aos seios da educadora de infância. Na mesma altura, uma escola infantil de Hagerstown, Maryland, acusou uma criança de 5 anos de assédio sexual a uma colega (tendo-a «condenado» a pena suspensa até entrar na escola primária). Entre 2005 e 2006, 25 crianças de jardins de infância no estado de Maryland foram alvo de inquéritos por assédio sexual na suas escolas.» Pode continuar a ler em A Origem das Espécies.

E o caso é, também, que ainda não me refiz da notícia. O mundo entrou em movimento espiralado aceleradíssimo ou sou que ando com a graduação errada? É que nem São João, por muito pedrado que estivesse, se lembraria de identificar a Besta pelas fraldas.
Tomada por um pensamento reaccionário (como já não uso fraldas, permito-me ser reaccionária de quando em vez...), pus-me a congeminar se a origem disto tudo não estaria em Freud e na sua teoria da sexualidade infantil.
E, de repente, senti-me bem acompanhada nas minhas congeminações quando me recordei de Karl Kraus e da frase dele sobre a psicanálise, já aqui uma vez citada na Pastelaria: «A teoria antiga negava a sexualidade dos adultos. A moderna diz que os bebés têm prazer sexual enquanto defecam. A antiga era melhor, ao menos podia ser contraditada pelas partes envolvidas». Ser reaccionária, às vezes, é um descanso.

5 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

Também tenho ficado intrigado com estas notícias. Há dias li que três crianças, entre os 8-9 anos, foram acusados de tentar violar uma rapariga de 11, em Acworth, na Geórgia. Sempre pensei que naquela idade não havia, digamos, apetrecho fisiológico para tais actos (forçados ou voluntários). Ou os rapazes espigam cada vez mais cedo, ou os americanos têm outra definição para violação (ou sexo tout court, ultrapassando Freud) como têm para terrorista = adj. 2 gén. que se aplica antes do nome de todo aquele ou coisa que está contra nós.

Não há muito tempo eles viam bruxas por todo o lado. Mais recentemente ainda, eram os comunistas, agora não admira que vejam abusadores sexuais por todo o canto. É um povo de visões!

Mais engraçado também é que putos que desenham figuras humanas com armas (chamavam-se rabiscos, agora, graças à psicologia, são auto-estradas para a alma) também são castigados.

O admirável mundo novo saiu melhor que a encomenda. Temos cientistas óptimos, espero que importem estas modas rapidamente, e pelos psicólogos que tenho visto não deve faltar muito.

KC disse...

Terá a criança sentido prazer simplesmente por ter encostado a cabeça aos seios da professora? Provavelmente sim, dando razão a Freud e à teoria moderna, sobre a existência da sexualidade infantil. Parece-me é que, em terras do Tio Sam, rapidamente se passa da sexualidade ao assédio. Paira por ali espírito santo, certamente…

ana cristina leonardo disse...

Dizer que a criança teve prazer ao encostar a cabeça aos seios da professora não é, absolutamente, a mesma coisa que dizer que ela teve prazer sexual. Como lembrou com clareza o cordato Richard Webster (autor de um livro que recomendo e que está traduzido - "Freud Estava Errado. Porquê?"): «Sugerir que do acto de mamar resulta prazer sexual não é mais razoável que sugerir que da copulação resulta prazer de comer. Se, para o compensar, eu der dois terços de uma cenoura ao cavalo da minha carroça e der o outro terço ao meu cão pastor, não vou concluir que o abanar da cauda deste último significa satisfação equina». Continuo reaccionária e a achar que o Kraus é que tinha razão!

antónio davage disse...

só não percebo a mania de que quando se discorda do mainstream - neste caso já frio - se é reaccionário. Desde quando pensar tem direcção?

susana disse...

o prazer sensual sim, eventualmente o sexual. as crianças diferem na sexualidade. conhcei uma menina que desde muito pequena enfiava objectos no pipi com evidente deleite. o que é muito grave é considerar assédio o gesto da criança com a educadora. daria vontade de rir, não fosse tão sério. toda a gente gosta de mamas. as mamas são alimento e protecção, para mais são fofas e os decotes costumam cheirar bem. por mim ia a educadora presa, pela sua incapacidade de compreender uma criança.