17/05/09

Em resposta a D. José Policarpo e confessando a minha total miopia

Afirmou o cardeal-patriarca de Lisboa, por acasião da missa deste fim-de-semana no Terreiro do Paço, que "os habitantes da grande Lisboa têm essa particularidade: não precisam de entrar numa Igreja para rezarem diante de uma imagem do Coração de Jesus. Toda a cidade se transformou num templo, onde só não sente o amor de Cristo quem não quer".
Apenas queria dizer ao D. José Policarpo que não só nunca fui agraciada com o amor de Cristo como, abrindo-se as janelas da minha casa sobre o Tejo, a única coisa que consigo vislumbrar é um enorme mamarracho do outro lado do rio. O que não é coisa que me espante: afinal, a ideia de reproduzir em Almada o Redentor carioca nasceu na cabeça do cardeal Cerejeira, homem que não ficou para a História pelo seu sentido estético.

5 comentários:

N. disse...

ora bem!...
essas pessoas da igreja são piores do que os dos sindicatos na mania da proclamação representativa.

CNS disse...

O pior é que as ideias a tresandar a mofo, persistem... Em ambos as margens do rio.

x disse...

O problema é de quem vislumbra as costas do mamarracho. Não deve ser agradável fazer as orações matinais virado para o cu do Cristo-Rei...

João Lisboa disse...

"nunca fui agraciada com o amor de Cristo"

E evita sê-lo:

http://lishbuna.blogspot.com/2009/01/ainda-inspirao-crist.html

Táxi Pluvioso disse...

Dom Policarpo tem razão, por falta de rezas continuamos a friportar para lado nenhum, e ainda bem que faltaram duas sacas de cimento, se não rezariam, não para o coração, mas outro órgão de Cristo.