29/01/13

Sendo fácil bater no Arménio, talvez conviesse lembrar o Jaime Neves

“Costa Gomes contará que o comandante do Batalhão de Comandos de Moçambique, major Jaime Neves (sob cuja tutela se encontravam também as tropas de Wiriyamu), lhe entregou certa vez um relatório de operação em que era referida a morte de cinquenta e quatro pessoas, tendo a tropa gasto apenas dez munições. Solicitado a dar explicações, Jaime Neves dirá que as vítimas foram executadas com arma branca, nelas se incluindo mulheres e crianças. E adiantará que tal atitude fazia parte do regulamento dos Comandos, o que era verdade: na instrução, aconselhava-se a eliminar todos os que pudessem denunciar uma operação em curso.”in Os anos de guerra, 1961-1975 : os portugueses em África: crónica, ficção e história / organização [de] João de Melo. - [Lisboa] : Círculo de Leitores, 1988

Obrigada, João

Sem comentários: