05/02/12

Porque me irrita a indignação selectiva

Não gosto de listas. Nunca gostei de listas e não é agora que vou passar a gostar.
O conteúdo das mesmas é-me relativamente indiferente: listas de compras, de livros, listas de tarefas, de amigos, listas de intenções, listas de listas. Claro que as listas são, em acto, sempre incompletas (as listas completas podem bifurcar-se indefinidamente noutras listas). Ainda assim, há nelas um pendor escatológico que me perturba.
Talvez o verdadeiro amante de listas seja, porém, aquele que traz consigo o secreto desejo de nunca findar a lista, à semelhança (invertida) do real amante de poker que nunca deixa de sonhar fazer um dead man’s hand e levar um tiro a seguir.
Foi a esta interpretação que me conduziu, pelo menos, a frase de Umberto Eco: “gostamos de listas porque não queremos morrer”.
Dir-se-á, com certa razão, que se trata de uma frase full service. Tão banal como a própria morte ou o programa “Prós e Contras”. E se falo do P&C, não o faço movida por desígnios obscuros.
É vero que a gestualidade diligente de Fátima Campos Ferreira me deixa um pouco “almariada”. Registe-se, contudo, a favor dela, o facto de nunca nos ter brindado com um só romance histórico.
O caso é que fui parar a uma lista disponível na Net sobre os temas abordados no referido programa. O inaugural, de 14/10/2002, girava em torno da pergunta: “Os portugueses são pouco produtivos?”. O estranho é que logo na vez seguinte a questão era: ”Lisboa deve ter um casino?”
O tempo foi passando, Fátima foi ficando, e uma das últimas emissões versou Angola. Pedro Rosa Mendes não gostou, disse-o na rádio e… Trriim!
O que é que isto tem que ver com listas? É que se não gosto em geral de listas (Eco que me perdoe), de listas negras… Urgh!

3 comentários:

Carlos Azevedo disse...

Ana Cristina, já somos pelo menos dois -- a não gostar de listas, quero dizer. Se me permites:
http://thecatscats.blogspot.com/2012/01/nao-nego-e-bom-verificar-que-nao-nos.html
e
http://thecatscats.blogspot.com/2010/02/todos-pela-liberdade-deles-ainda.html

Ivone Costa disse...

Ahah! Não fosse eu de Faro: compreendo, e subscrevo sem reservas, o conceito de "almariada" :))

Ana Cristina Leonardo disse...

Ivone, haja alguém que me entende!
Bem-haja!