26/10/11

"Tratar tudo da mesma maneira é para a Suécia, meu bem" [se os economistas portugueses falassem assim eu até via o programa da Fátima Campos Ferreira]

Tradução brasileira do "economês". Que delícia de mulher!
Obrigatório, mesmo que não se concorde com tudo.
A inteligência é uma coisa irresistível!

11 comentários:

ams disse...

A inteligência e o desassombro desta mulher é... genial. Obrigada.

GP disse...

Isto é que foi uma fuga de cerébro lamentável.

Carlos Azevedo disse...

Ouvi a senhora pela primeira vez há pouco tempo, quando me enviaram uns vídeos com intervenções suas. Termos como "delícia" e "irresistível" são adequadíssimos, e eu permito-me acrescentar outro: comunicativa –- característica que escasseia nos economistas que temos por cá.

Na semana passada assisti a uma conferência (incluída no ciclo de conferências «O que é a América hoje?», a decorrer até ao final do ano na Casa da Música) com a participação dos professores universitários Luís Campos e Cunha e Abel Fernandes, e mais uma vez constatei que os economistas gostam de utilizar linguagem hermética -- falaram mais entre si do que para o público.

Ana Cristina Leonardo disse...

ams, temos mesmo é que agradecer à senhora. E que senhora!

GP, vendo por outro lado - que raio ficaria ela a fazer na Anadia nos anos 50? Ou mesmo hoje?
-:)

Carlos, isto é o melhor do Brasil. O terem mandado às urtigas a pomposidade bafienta de Portugal

Carlos Azevedo disse...

Ana Cristina, a propósito da tua resposta à/ao GP, lê a resposta à última questão desta entrevista -- é mesmo muito pequenininho...

Ana Cristina Leonardo disse...

Carlos, ainda assim a Albânia é mais pequena...
-:)

Carlos Azevedo disse...

... e o nome da capital não engana.

sem-se-ver disse...

tinha posto (há algum tempo já) um destes no meu tasco; mas confesso que nao fui à procura dos outros.

porreiro, pá!

Anónimo disse...

Quero esta Senhora no Negocios da Semana!

O mais peor disse...

brilhante.

Anónimo disse...

Impostos a 50%, grande intervenção estatal, socialismo.
O Brasil já (hoje em Outubro de 2011) está a crescer menos de metade da média dos outros países emergentes.