27/10/10

Uma coisa me consola: se o Sócrates der de frosques como não sabe línguas terá à disposição menos tachos

13 comentários:

Luis Serpa disse...

Pois. As empresas não se contentam com diplomas de domingo.

Joana Lopes disse...

Venezuela.... O amigo Chavez....

Ana Margarida disse...

ahahahhahahah. foi exactamente o que eu disse este fim-de-semana!

AMC

trepadeira disse...

Gostei sobretudo do cachucho à chulo.
Um abraço,
mário

Manuel Vilarinho Pires disse...

A UE e as suas instituições colocam batalhões de tradutores e intérpretes ao serviço do seus José Manel "forget the Durão" Barroso, pelo que, se ele for para lá, nem português tem que saber.
E como o Barroso vai regressar para se candidatar às próximas presindenciais, vai lá abrir uma vaga...
A análise curricular do actual titular indicia que a flexibilidade no relacionamento com a verdade é apreciada. Aquilo que no Facebook se pode designar por "relação aberta" ou mesmo, "é complicado". Estará o nosso Zézito à altura?

smvasconcelos disse...

lollol
Sabe pois, todos os dias da semana, especialmente ao domingo!
:))

Manuel Vilarinho Pires disse...

Na verdade, se o Plano A falhar, pode sempre optar pelo Plano B: ir vender coletes reflectores para Lleida, rentabilizando as suas competências de vendas e domínio do espanhol técnico.

Anónimo disse...

No futuro abandono das suas funções de Primeiro Ministro o Engº José Sócrates deveria ter por destino merecido: o desemprego.

Contudo, vozes benevolentes são da opinião que um Primeiro Ministro de Portugal, seja qual for, por uma questão de prestígio institucional deverá assumir um cargo prestigiante.
Assim, propõem-se os seguintes cargos:

• Vendedor de computadores Magalhães na J.P. Sá Couto, Lda.
• Encarregado de manutenção do parque eólico da Serra de Montemuro
• Formador do Centro de Novas Oportunidades de Alijó
• Controlador da central foto-voltaica de Moura
• Facilitador da Missão Rússia/Irão, de Chavéz, em Caracas-Venezuela
• Tradutor de Inglês Técnico junto do filho de Kadhafi
• Engº responsável pelo projectos de reabilitação urbana de Malange-Angola
• Consultor ambiental em Xiang-China
• Relações Públicas, da Unidade Estado, do projecto de construção do shopping Dolce Vita em Bragança
• Consultor para a Comunicação Social de José Eduardo dos Santos

Joana Lopes disse...

está toda a gente a esquecer-se de um detalhe: ele tem direito a uma reforma por ter sido 1º ministro e que não deve ser pequena...

Carlos Azevedo disse...

Luís Serpa, não generalize: é surpreendente as coisas com que algumas empresas - presumo que se queria referir às privadas - se contentam. Em certos aspectos (cunhas, favores, incompetência), pouco ou nada as distingue do sector público.

Manuel Vilarinho Pires disse...

Carlos,
Está cheio de razão.
E é curioso que uma das linhas de investigação recente na teoria económica tenta justamente perceber a correlação entre a riqueza nacional dos países e o grau de respeito dos direitos dos pequenos accionistas nas empresas cotadas conferido pelas suas legislações.
As administrações e os grandes accionistas podem ser tentados a utilizar as empresas em seu benefício próprio quando os pequenos accionistas não têm forma de fazer valer eficazmente o seus direitos (vide BCP), e isso resulta em perdas de eficiência económica global.
No Estado e nas empresas do sector estatal, os partidos funcionam como grandes accionistas e nós somos os pequenos accionistas...

Joana,
Eu posso estar errado, mas creio que ele já é reformado...

Joana Lopes disse...

Não está reformado, Manel, para mal dos nossos pecados.
Mas peço desculpa por um erro ali mais acima: os PM's já não têm direito a «subvenção vitalícia».

Anónimo disse...

MUITO BOM!!! parabéns!!! :)