15/09/10

O Mário Viegas nunca quis ser ministro da educação mas podia ou temos que nos alimentar todeeeesss (descubra as diferenças)

Discurso da ministra da educação na abertura do ano escolar



Mário Viegas lê uma história de Pedro Oom




As grandes ideias são para ser roubadas. Esta gamei-a AQUI.

14 comentários:

jaa disse...

Por imensos motivos, é uma pena o Mário Viegas ter falecido. Um deles é que sempre haveria menos palavras ("afecto", "adoptivo", "insectos") sujeitas ao acordo ortográfico.

(Não se poderia, mesmo assim, usar este vídeo para contestar o desaparecimento das consoantes mudas?)

João Lisboa disse...

Por acaso, também pensei nisso.

F disse...

"Mêmo" assim eu acho que gostei mais da história que o Sr Mário contou.
É que a da Sra. Ministra causou-me uma sensação muito estranha que eu ainda não sei muito bem explicar qual é, para além de uma dor no maxilar por ter provocado, também, uma abertura forçada da minha boca.

Manuel Vilarinho Pires disse...

Ia deixar um comentário sobre a desconformidade desta diqueção com o acordo ortográfico, para ver que já há outros... junto-me ao abaixo assinado.
No belogue da Joana deixei outra historinha infantil, mas com bolinha. Esta, a bem dizer, também tem, a senhora é que não avisou.

Cristina Gomes da Silva disse...

Lindo!

Paulo disse...

Fantástico, absolutamente hilariante (ambos!).
Vou roubar!!
Parabéns.

Paulo disse...

Fantástico, absolutamente hilariante (ambos!).
Vou roubar!!
Parabéns.

Ana Cristina Leonardo disse...

Um acordo ortográfico com base na diqueção é só mais um número hilariante a juntar a outros (pena estar a esgotar a minha reserva de gargalhadas...)

Rui disse...

Eu pensee (após esforçado esforço e seguindo as orientações da tutela) que o que agora começa não é o ano lectivo - nem sequer uma longa estória da carochinha: o que agora querem que comece é Uma Aventura Disciplinada nas Regras Que Nos São Ditadas.


E prontos, agora, vou dromir (bem, claro), alimentar-me (bem, também) e estudar uma maneira de arranjar paciência.

sem-se-ver disse...

as grandes ideias são para ser roubadas. levo para o meu.


(e deixo comentários quando recuperar o fôlego!)

menvp disse...

Manifesto: NÃO QUEREMOS POLÍTICOS PAIZINHOS - Fim da Cidadania Infantil!

Os cidadãos não podem ver os políticos como um 'paizinho'... devem, isso sim, é exigir maior fiscalização e controlo sobre a actividade política!
De facto, quem paga - leia-se, contribuinte - tem de ter um maior controlo sobre a forma como é gasto o seu dinheiro!
EXPLICANDO MELHOR: todos os gastos do Estado que não sejam considerados de «Prioridade Absoluta» [nota: a definir...] devem estar disponíveis para ser vetados durante 72 horas pelos contribuintes [nota: através da internet].
Para vetar [ou reactivar] um gasto do Estado deverão ser necessários 100 mil votos [ou múltiplos: 200 mil, 300 mil, etc] de contribuintes.

Resumindo e concluindo: não se queixem do facto de estar a ser mal gasto dinheiro do Estado: abram os olhos... e vetem!

TERESA SANTOS disse...

Obrigada pelo Mário Viegas, um bálsamo nesta desgraça...

Anabela Magalhães disse...

A Educação parece fadada para o incrível...
Esta é uma nova versão da "Alice no País das Maravilhas".
Bj

Ana Cristina Leonardo disse...

Anabela, talvez na Alice alguém lhe tivesse mandado cortar a cabeça...
-:)