24/03/10

Louvor e simplificação do Portugal moderno ou o extraordinário caso do desaparecimento da apostilla de la Haya

Um amigo português fez umas traduções para Espanha. Quando chegou a hora de receber, os espanhóis pediram-lhe um certificado de residência fiscal, sem o que seriam obrigados a reter-lhe 24% da massa.
O meu amigo foi às Finanças em Lisboa. Nas Finanças em Lisboa, primeiro ficaram baralhados mas depois lá o encaminharam para a Direcção de Serviços das Relações Internacionais, uma repartição modernaça que só atende por telefone e por e-mail. Nada de contactos físicos.
Na Direcção de Serviços das Relações Internacionais foram super-despachados e mandaram-no descarregar por "via electrónica" um formulário qualquer que serviria de certificado de residência fiscal. Ele assim fez e mandou a papelada para Espanha. Os espanhóis, picuinhas, responderam-lhe que aquilo, apesar de muito bem descarregado por via electrónica, não servia para nada sem um selo branco, vulgo apostilla de la Haya.
O meu amigo voltou às Finanças. Nas Finanças mandaram-no telefonar de novo para a Direcção de Serviços das Relações Internacionais que o assunto era com eles. Ele voltou a telefonar. Responderam-lhe que devia haver engano porque o selo branco já não existia há muito. Que fosse chatear os espanhóis.
Ele foi chatear os espanhóis. Os espanhóis, muito simpaticamente e, aparentemente, nada chateados, devolveram-lhe a papelada toda para casa, dentro de uma caixa almofada e com aviso de recepção, pediam imensa desculpa mas sem apostilla de la Haya chapéu.
O meu amigo tornou a telefonar para a Direcção de Serviços das Relações Internacionais. A mesma senhora que já o havia atendido garantiu-lhe com enfado e pela terceira vez que em Espanha eram uma cambada de retrógrados e que nós portugueses éramos muito mais modernos e a prova disso é que tínhamos acabado com essa coisa da apostilla de la Haya.
Quase dois meses passados nisto, o meu amigo começou a desesperar e resolveu escrever ao editor espanhol que lhe tinha pedido as traduções, expondo-lhe o caso. O editor espanhol foi-se informar nas finanças espanholas que não arredaram pé: ou ele arranja o selo branco ou sacamos-lhes 24%.
Prestes a desistir – já que aqui insistiam que o selo branco era coisa de trogloditas – recebe um e-mail de Espanha.
O editor telefonara para a Embaixada de Espanha em Portugal e da Embaixada de Espanha em Portugal haviam-lhe dito que o que o tradutor tinha que fazer era ir à Procuradoria-Geral da República em Lisboa – até indicavam a morada e o número de telefone – e pedir para lhe carimbarem o papel com o selo branco.
Após um telefonema rápido que confirmou a veracidade da informação, o meu amigo dirigiu-se à Procuradoria não sem que, antes disso, enviasse um e-mail ao coordenador da Direcção de Serviços das Relações Internacionais dizendo-lhe que, talvez ele, coordenador, não acreditasse nas apostillas de la Haya pero que las hay las hay e enquanto se dirigia à Procuradoria, menos patriota ainda do que eu, recordou o dia amaldiçoado em que defenestraram o Miguel de Vasconcelos e ressuscitaram esta coisa.

7 comentários:

Teresa Ribeiro disse...

E o D. Afonso Henriques também não devia ter desobedecido à mãe! (muito boa posta)

fallorca disse...

Basta o arranque do título para um gajo ficar a salivar. Mas li o (enfadonho) texto todo, como se andasse a fazer pinguepongue burocaricato.
Amanhã vais ao Zinko, (18h) na LerDevagar?

1 Espectador SC disse...

Muito Boa Tarde,

Aproveito a minha regular visita ao seu espaço para informar a abertura de um novo blog dedicado exclusivamente ao debate de temas falados no programa de televisão Sociedade Civil. Como espectador, este meu novo espaço visa expressar as minhas opiniões sobre o assunto falado no dia. Aproveito a minha passagem pelo seu blog para divulgar, para que todos visitem e que sigam este blog. Serão todos bem vindos, bem como a colocação de links está em aberto. Se a colocação for feita neste seu espaço, colocarei também no meu, basta informar.

http://umespectador.blogspot.com/

Boa continuação e espero que apareçam.

João Lisboa disse...

"recordou o dia amaldiçoado em que defenestraram o Miguel de Vasconcelos e ressuscitaram esta coisa"

Que mil Miguéis de Vasconcelos floresçam!

fallorca disse...

Posso contribuir com um singelo e despretensioso regador?
É de boa vontade

Ana Cristina Leonardo disse...

Teresa Ribeiro, tb. eu me lembro disso muitas vezes
Fallorca, às vezes o título é o melhor de um texto (mas podias ter saltado logo para o final - que ainda por cima é feliz)
João, que floresçam!

Anónimo disse...

Estás a pesquisa de um meio para jogar casino sem teres de depositar?

Joga Online com real money sem teres de arriscar o teu proprio cash!

no http://www.tilatequila.pokersemdeposito.com/
tens:

Poker:
Full Tilt Poker 50$ bonus sem deposito
PokerStars 50$ free bankroll
Titan poker 150$ online gratuito
Celeb Poker 199$ sem deposito
Party Poker 50$ free bankroll
Cake Poker 50$ bonus sem deposito
Ultimate Bet 50$ gratis
No PayPoker 25$ gratis
Winner Poker 75$ gratis
Cd Poker 50$ online gratuito
Poker 770 7,70$ free bankroll
Riva poker 10$ online gratuito
Betraiser 5$ free bankroll

casino:
Joyland Casino 25$ gratis
Willian Hill casino 30$ free bankroll
Ruby royal casino 11$ online gratuito
coccoa casino 10$ free bankroll
Superior Casino 20$ sem deposito

apostas desportivas:
Party Bet 25$ bonus sem deposito

Bom Trabalho