02/08/09

Hoje o intocável Belenenses, amanhã esperamos para ver

Eu não sou fã do João Bónifácio. Aliás, já aqui escrevi irritada contra um texto dele. Dito isto, acrescento que sou absolutamente fã desta máxima batida do Voltaire: «Não concordo com uma única palavra do que diz, mas defenderei até à morte o seu direito de dizê-la».
Vem isto a propósito do imenso sururu que se criou por causa de um texto de JB publicado no Público sobre o Super Bock Super Rock.

O texto começa assim: Toda a gente que segue futebol com um mínimo de regularidade conhece a constante nudez quinzenal do Estádio do Restelo. O Belenenses joga e há duas dezenas de velhinhos nas bancadas, nem uma palha bule, é um sossego. Portanto a ideia de fazer um festival de música popular naquele mesmo estádio quase parece uma acção de beneficência.
Vai daí, os tipos do Belenenses abespinharam-se [ler aqui]. Posso perceber.
Deixo de perceber quando Nuno Pacheco, sub-director do Publico, vem pedir publicamente desculpas ao clube de Belém. Mas menos percebo ainda quando o Provedor do mesmo jornal vem dar razão aos indignados.

[...] Joaquim Vieira, esclarece que:
1) "não (lhe) parece curial que o jornal envie para criticar um espectáculo quem a priori assume a sua aversão aos artistas. Não é crível que um crítico com tal parti pris consiga manter o mesmo tipo de abordagem e distanciamento que terá perante intérpretes que aprecia ou lhe sejam indiferentes. Tal aitude prejudica a igualdade de tratamento que o 'Público' deverá dar a todos os intervenientes nos eventos que cobre, como jornal cujo estatuto editorial defende o recurso aos 'indispensáveis mecanismos de objectividade'.
Tradução: "não apreciar" um artista é igual a "ter-lhe aversão"; quando "não se aprecia um artista" (isto é, quando se lhe "tem aversão"), o "distanciamento", o "tipo de abordagem", a "igualdade de tratamento" e os "indispensáveis mecanismos (???) de objectividade" ficam comprometidos; mas, quando "se aprecia" (ou se lhe é... "indiferente"), a "objectividade" fica salvaguardada.
Daqui decorre que:
a) para o trabalho crítico de cobertura de um festival - com muitas bandas e músicos de variados estilos e géneros, todos susceptíveis de gerar graus diversos de "aversão", "apreciação" ou "indiferença" -, o "Público" deverá mobilizar um exército de críticos seleccionados banda a banda, de acordo com uma declaração de afinidades estéticas previamente preenchida e entregue ao editor;
b) para a crítica ao concerto/disco/DVD de uma única banda ou músico (presume-se que o mesmo se aplique ao cinema, teatro, dança, literatura, artes plásticas...), os críticos deverão ser, preferencialmente, recrutados nos seus clubes de fãs e, para que tudo corra bem, mediante a aprovação dos próprios artistas (e, já agora, dos respectivos agentes e promotores dos concertos/festivais);
c) o trabalho crítico passa, de aqui em diante, a ser encarado como um "exercício de objectividade".
2) "O 'Público' que ambiciona claramente ter uma função federadora em relação à população portuguesa, deveria cuidar de não alienar os diversos grupos sociais com considerações gratuitas ou de mau gosto, eventualmente ofensivas. A responsabilidade não é de J.B., mas de um editor que deveria ter feito a leitura prévia do texto e chamar-lhe a atenção para uma passagem mais desprimorosa para os adeptos de um clube. Na esmagadora maioria dos casos, o redactor cai em si, muda o que tiver de ser mudado e o texto cumpre na mesma a sua função".
Tradução: "função federadora" - vender mais do que os miseráveis números actuais que o Belmiro, não tarda nada, fecha a torneira; "não alienar os diversos grupos sociais" - na gebalhada da bola, não se toca nem com uma flor que os gajos passam-se! É piar fininho e deixar-se de fantasias (para a política, haverá normas a expor posteriormente); "a responsabilidade não é de J.B. mas... de um clube" - os jornalistas/críticos são uns tontos que não medem o perigoso alcance do que escrevem e tem de haver quem os meta na ordem; "Na esmagadora maioria dos casos, o redactor cai em si, muda o que tiver de ser mudado" - na esmagadora maioria dos casos, o redactor recorda-se que tem a prestação da casa para pagar, que não lhe dá jeito nenhum perder o emprego, mete o rabo entre as pernas e obedece ao chefe; "o texto cumpre na mesma a sua função" - o texto "enche o buraco" na página que estava previsto sem aborrecer ninguém.
Nota: na página anterior à do Provedor, no mesmo espaço do "editorial" em que, há dias, apresentara desculpas públicas ao Belenenses pelas "ofensas" de João Bonifácio, Nuno Pacheco insurge-se indignadamente contra os limites à liberdade de informação impostos por Hugo Chávez, na Venezuela.

10 comentários:

Luís disse...

Abençoada. Estava a ver que ninguém dizia nada. Então essa da "função federadora" do Público é de arrepiar.

Rui disse...

Citando o «grande» Fausto Bordalo Dias: a boa crítica é a que diz bem da minha música, os outros são uns invejosos (não o disse literalmente assim, mas o sentido era este).

Jorge disse...

Ah, eu também andava a pensar que era eu que andava velho e não percebia nada das novas regras da objectividade. Que imensa mediocridade (começando no crítico, acabando no provedor - é melhor dizê-lo).
Jorge Silva Melo

Ana Cristina Leonardo disse...

Luís, ser abençoada por si é uma honra. O que eu gosto do seu blog! (e vai mesmo com ponto de exclamação)
Rui, isso ainda percebo. Mas o provedor?!!!
Jorge, não acredito que a idade nos torne necessariamente menos objectivos (para citar o senhor provedor) - e foi um prazer tê-lo na pastelaria

Anónimo disse...

Olé,Olá,
O FAR já está em Belém

sem...hipócrisias disse...

mt bom blog

cumps

Ana Cristina Leonardo disse...

Anómino, a sua solicitude conciergeana, de concierge, para o caso de não saber francês, só teria graça se rimasse. Não rimando, segue para o saco azul dos anonymus parvi (de qualquer modo, não veria nunca a ligação, a não ser, claro, que o retornado que refere seja do belenenses).

sem...hipócrisias, muito obrigada

Carlos Enes disse...

Ana:

Como jornalista, festejo o seu post e sento-me a pensar no título. Sabe, não é só amanhã. Os "mecanismos da objectividade" já ontem, e antes, se revelaram poderosas máquinas de poder. Em Portugal, a adesão ao pensamento certo é ainda maior do que aos últimos modelos de telemóveis.

Para ser franco, de início, a crítica de JB pareceu-me - como hei-de dizer ? - um bocado tonta e inofensiva. Erro meu. É uma boa crítica.

Ana Cristina Leonardo disse...

Carlos, eu sei que o amanhã foi ontem, mas um provedor?!!!

Carlos Enes disse...

Eu sei que sabe Ana, sou assíduo da pastelaria. O meu "sabe" era retórico (quero dizer, falta de inspiração na escolha de recursos estílisticos).
Quanto ao texto do provedor, que não conheço mas de que tenho boa imagem, partilho por inteiro a sua opinião, não o espanto. Mas isso é apenas sintoma da minha doença profissional.