25/01/08

O Post mais feminino que coloquei até hoje Primeiro foi a Maria Eduarda, depois foram os Procol Harum: estou a envelhecer e não há Cícero que me valhe

A combinação disto com isto resultou em mais uns quantos cabelos brancos. Nada que umas madeixas não resolvam. Quanto ao Cícero, se alguém estiver interessado, deixo o link aqui (em francês) e, para os realmente desesperados, acolá, em latim.

4 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

Procurei alguém para enfrentar Cícero mas só encontrei: "old age is not so bad when you consider the alternatives" - de Maurice Chevalier. Que dança na mesma sabedoria clássica.

Táxi Pluvioso disse...

Mas encontrei um homem com muito humor: "Thomas Jefferson once said, 'We should never judge a president by his age, only by his works.' And ever since he told me that, I stopped worrying" - Ronald Reagan.

Tenho que publicar assim, pois não sei quando a net vai desta para melhor. No meu optimismo espero que a empresa resolva o problema dentro de uma semana ou dois mês.

N. disse...

Eu não dei por nada disso. Aquando do da Maria Eduarda, eu pensei que as tias mortas – apesar de o estarem - ainda pareciam ter alguma ascendência sobre ti, mais não fosse porque ainda lhes dizes – às mortas e às vezes – que NUNCA irás fazer mise, ripado, permanente e bananas.
(não sei, se calhar, visto bem, até é melhor que seja só isso do irmos envelhecendo… e apesar do que ela – a tia morta – dizia sobre o facto de eu ter umas unhas bonitas para pintar de rosa, eu nunca pintei, pinto, pintarei as unhas de rosa, ou outra cor, tanto dá, eu sei que as tenho catitas!)

Ana Cristina Leonardo disse...

estamos de acordo quanto ao cor de rosa, mas o que eu queria dizer é que esses gineceus onde podíamos pintar ou não pintar as unhas de cor de rosa ou da cor que nos aprouvesse, fazer o penteados citados ou tirar o buço com Taky (meus deus, lembrei-me agora do taky!) tendem a desaparecer. Daí me parecer a Maria Eduarda um anacronismo, tal como as minhas tias (mortas) e todos nós qualquer dia, a começar por mim. Enfim, c'est la vie e tanta coisa por me sentir mortal por umas horas...