22/06/07

Pássaros

Ainda há pouco, numa mercearia do bairro, ouvi uma história sinistra, daquelas dignas de Hitchcock, enquanto comprava alperces. Dizia o Sr. Zé para o Sr. Alfredo (os nomes são fictícios porque vou poucas vezes à mercearia em causa): - Então, tu sabes que se apanhares um melro pequenino e o puseres na gaiola, os pais continuam a ir alimentá-lo entre as grades? - Pois, melro ou outro pássaro qualquer. Mas olha que a dada altura matam-no. - Matam-no?! - Sim, chegada a hora de abandonarem o ninho, como não saem da gaiola, eles vão lá e dão-lhe as sementes erradas... A Natureza é lixada.

3 comentários:

Anónimo disse...

lendo os posts de seguida, ocorre-me um cruzamento sintético, se bem que absurdo: o meu canário, que tende a dialogar mais activamente com a música rock, tem actualmente a forrar o fundo da sua gaiola as páginas de jornal acerca do filme de hitchcock.

susana

ana cristina leonardo disse...

sendo assim, está salvo. E a caminho de se tornar uma personagem de Enrique Vila-Matas, talvez um detective cantor, reencarnação de Dennis Potter, acrescentando uma pitada de orientalismo à conversa

Marginal disse...

Blue pill/Red pill à força