26/02/13

Confirma-se: temos o Relvas que merecemos. José Luís Peixoto ganha prémio de poesia da Sociedade Portuguesa de Autores.

“…a minha dor é esta primavera que nasce e me mostra que o inverno se instalou definitivamente dentro de mim” in "A Criança em Ruína", o livro vencedor, publicado em 2001.

Um poema dito pelo próprio, aqui.

8 comentários:

Anónimo disse...

O José Luís Peixoto é o escritor institucionalizado dos escritores institucionalizados...

De acrescentar a atitude paupérrima e conformada da SPA: nada de promover e auxiliar malta nova, vamos antes, em 2013, premiar livros de 2001 só porque foram reeditados.

Ainda por cima não dá trabalho nenhum: é o Zé Luís, é bom rapaz, humilde e maluco com as tatuagens, brincos e heavy metal...

Fuckin'hell...

Carlos Azevedo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Azevedo disse...

Que mázinha! ;-)

Anónimo disse...

Mázinha? E de que maneira.Até que não passaram muitos anos...tá dentro do prazo.Ou não?

m.a.g. disse...

Que caramba! Isto anda tudo ligado, alinhado, aliviado e por aí...

"O possível é o futuro do impossível. Todo o impossível poderá vir a ser possível."

..." Assim, não há nenhum motivo para fazer cara de peido e dizer: não, acho que não vai correr bem."

http://visao.sapo.pt/cientistas-confirmam-que-se-devem-soltar-gases-nos-avioes=f714114

alexandra g. disse...

E ando eu para ai a gemer com o software que me calhou na rifa.

E a bater com a cabeça nas paredes, dói-me tanto, tanto!

pilantra disse...

É fartar, vilanagem! - como dizia o AH.
Não é só os chapéus que há muitos. está visto.
Toca a comer mas é pastelinhos de bacalhau que isto já não vai com chocolates.

pilantra disse...

«A ruína quando criança» ficava mais giro.

E quando se passassem as páginas devia libertar um cheirinho a pimentos assados. Catita!