24/04/12

Minhas senhoras e meus senhores, isto não é a União Nacional nem (ainda) o 5 de Outubro. Resumindo: estou com o Mário Soares e ninguém tem nada com isso

José Manuel Fernandes diz-se incomodado. Indignado. Talvez mesmo ultrajado. José Manuel Fernandes incomodado, indignado e talvez mesmo ultrajado dá-me vontade de rir. A pomposidade de JMF soa ridícula. O "sentido de Estado" não lhe assenta (com dois esses): "Sucede que as comemorações do 25 de Abril na Assembleia da República, lugar onde todos os partidos têm acento e têm voz..."
E transcrevo o "acento" porque erros de português são inadmissíveis quando se sai a espadeirar tão bravamente em defesa da Pátria.

Ricardo Costa diz que Mário Soares se vai arrepender. A convicção de Ricardo Costa soa a anátema (e, acrescente-se, soa também um pouco ridícula dada a idade de Costa  há frases que só podem ser pronunciadas a partir dos 50 anos...), tanto mais cruel quanto Mário Soares, a não ser que siga o exemplo de Manoel de Oliveira, já não terá assim tanto tempo para ritos penitenciais.

Pedro Passos Coelho diz, com a profundidade costumeira, estar "habituado a que figuras políticas queiram assumir protagonismo em datas especiais". Não sei se ele se refere à teimosa ausência de Teófilo Braga nas comemorações do 5 de Outubro ou à presença do seu próprio pai na data do aniversário do filho, mas confesso que as declarações de Pedro Passos Coelho já há muito deixaram de me interessar.

O facto é que Mário Soares tem todo o direito (o dever?) a não ir abrilhantar uma palhaçada.


Post-scriptum: os tempos da "União Nacional" já lá vão e, apesar dos cravos de antanho e da treta actual do "somos todos irmãos", o 25 de Abril não foi um passeio jovial ao Largo do Carmo.

13 comentários:

m.a.g. disse...

Na verdade nada há a comemorar. Estamos em período de Nojo.

Carlos Azevedo disse...

m.a.g., estou consigo; quando muito, há algo que urge recuperar.

João Teago Figueiredo disse...

o ricardo costa diz que soares cometeu o maior erro político da sua carreira e ir-se-á arrepender. é mais ou menos a mesma coisa que eu dizer que o messi não percebe nada de futebol. o ricardo costa já devia saber que, no que toca à política, soares está sempre à frente de toda a gente.

cumprimentos,
jtf
(jardimdemicrobios.blogspot.com)

Ana Cristina Leonardo disse...

A afirmação do Ricardo Costa é um bocado tonta, sim senhor. E o Mário Soares terá muitos defeitos, mas faro é coisa que não lhe falta.

João Teago Figueiredo disse...

precisamente.

Alberto disse...

A direita está no poder com os votos dos portugueses. Não me parece que esta direita queira acabar com o sistema democrático implantado no 25 de Abril. Sendo assim porque diabo não se comemora o 25 de Abril? Só se comemora quando a esquerda está no poder? Claro que o 25 de Abril não foi um passeio jovial no largo do Carmo. Mas foi exactamente o quê prezada Leonardo? Uma revolução socialista que agora está atraiçoada? O que foi?
Alberto

Ana Cristina Leonardo disse...

Alberto, não percebi a pergunta. Quer saber o que foi o 25 de Abril? Bom, tirando isso, que não foi (revolução socialista), foi a passagem de um regime autoritário para um regime democrático. O Mário Soares acha que a democracia está a ser desvirtuada e ele, aos 80 e tal anos, não quer ir fazer figura de Teófilo mumificado para o Parlamento. O homem está vivo. Mexe. Isso é que interessa. Ser capaz, aos 80 e tal anos, de dar uma bofetada aos parvos. É digno, é grande e tem graça. O resto é conversa de meninos da mamã, copinhos de leite ofendidos com a dignidade do Estado, que não fazem sequer ideia do que seja. E agora acrescento, só para acabar: eu nem sou fã do Mário Soares. Mas há que saber reconhecer uma personagem, e não um palhaço, quando nos cruzamos com ela.

Ana Cristina Leonardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alberto disse...

Reconheço que o Mário Soares teve uma importância fulcral no estabelecimento da democracia em Portugal. Foi um grande político e que sempre assumiu o primado da política na condução das sociedades coisa que me agrada. Infelizmente sempre foi arrogante e com uma grande soberba. Até um pobre polícia da psp (que eu conheci) que esteve meses a fio a guardar a sua casa desconsiderava.Nunca o cumprimentou!
A democracia não está nada a ser desvirtuada, a não ser que se considere a democracia algo mais que nunca tivémos. Temos um governo de direita que aplica medidas da direita. Óbvio. A violência de algumas medidas não tem a ver com a direita mas com a situação de bancarrota a que chegámos por aqueles que julgam que as sociedades não têm todas uma infraestrutura económica, e devido às medidas impostas pela sra. Merkel, para as quais não estamos em condições de responder. Aliás o Soares deveria ter melhor memória. Enquanto o limitado Passos tenta tirar Portugal do buracão o Soares da 1ª vez que foi primeiro ministro levou Portugal para o buracão devido à sua brutal incompetência. Enfim, um módico de racionalidade faz sempre falta.Relativamente ao Lourenço e sua associação prefiro não comentar.
Alberto

Anónimo disse...

Eu quero compreender estas atitudes, mas, também a propósito do “faro”, não consigo deixar de reparar naqueles que entendem faltar às comemorações do 25 de Abril para mostrarem que sempre estiveram com o 25 de Abril. Talvez devido à idade, há muito boa gente à procura de um lugar no céu. Que Deus os leve!

Fado Alexandrino disse...

Peço desculpa, podem a seguir atirar pedradas à vontade.
O 25 de Abril não foi a passagem de uma ditadura para uma democracia, isso aconteceu a 25 de Novembro.
Outra coisa MST (não precisa de identificação) disse ontem muito claramente o que representa este folclore de comemorar uma coisinha que não diz nada a 90% dos tugas.
Amanhã um conjunto estupendo de bonzos vai gastar um balúrdio neste circo enquanto os tugas vão encher os centros comerciais passeando pelas montras.
Pensem nisto.
Muito obrigado.

sem-se-ver disse...

«A violência de algumas medidas não tem a ver com a direita mas com a situação de bancarrota a que chegámos.»

engana-se. a violência destas medidas tem a ver com as opções políticas da direita.

tão simples quanto isso.

luis reis disse...

Pimba!Belo texto!Sem espinhas.25 de Abril, sempre!