27/03/12

As barragens culturais de Mexia

Sou do tempo em que se mudavam fusíveis à mão. Hoje é o tempo de Mexia (António Mexia). Entre nós, o abismo de um novo paradigma.
Como qualquer paradigma que se preze, também este significou um corte epistemológico com o passado. Um corte quiçá mais radical do que aquele que levou os físicos a “abandonar a crença na possibilidade de toda a física ter por base a mecânica de Newton”.
Sem mais rodeios: a pesquisa de Michael Faraday sobre electricidade está para a revolução da física assim como o poder de Mexia está para a revolução energética/cultural.
Mexia é enérgico. Energético. “Energizante”. Parafraseando Cabrera Infante, Mexia é Demasiado! De desmaiar (colapso dos sentidos que vem acometendo um número significativo de portugueses quando confrontados com a conta da luz).
Mas se Faraday era cientista, Mexia é economista. Não que seja demasiado económico. A prová-lo, três grandes projectos artísticos no Douro.
Pedro Cabrita Reis vai usar 2.700 l de amarelo numa superfície de 13.000 m2 (barragem da Bemposta); Pedro Calapez preferiu a cor e o vidro temperado para uma superfície de 142 m2 (barragem de Picote); quanto a Souto Moura, coube-lhe “minimizar as alterações morfológicas das vertentes, a volumetria exposta das obras e o seu impacto visual” na Foz do Tua.
Mexia, amigo das artes, veio também anunciar a decisão de fazer construir as novas casas das máquinas das barragens por Pritzker de arquitectura. Com a mania das grandezas característica da bipolaridade portuguesa (nos outros dias somos piegas), sublinhou tratar-se de um “projecto inovador a nível mundial”.
Citando o crítico de design Mário Moura: “Às vezes há boas razões para nunca ninguém ter feito uma coisa”.

8 comentários:

Desconhecido Alfacinha disse...

Cara Senhora,

"“Às vezes há boas razões para nunca ninguém ter feito uma coisa”

Sabias palavras!

Respeitosos cumprimentos,

samartaime disse...

Tomei a liberdade de transcrever parcialmente no meu blogue este seu avisado texto. Caso veja nisso algum inconveniente, agradeço que «tome a liberdade» de mo dizer.

Cordialmente, samartaime

Fado Alexandrino disse...

E eu aproveitei a magnífica última frase no meu blog, também.

luis reis disse...

E quanto ao pilim pago aos "artistas"???Eu quero dar mais algum pilim, para ajudar os cavalheiros,quero o amarelo bem carregado,o vidro bem temperado com tintol,ops,bem coladinho quero dizer,....bem, e já agora,dar mais algum prá alteraçâo das "morfologia das vertentes".
Bóra lá "colaborar" com os monos.
Espero que na próxima factura venha lá tudo explicadinho e com o respectivo 23%....hoje tou um mãos largas!!!

m.a.g. disse...

Eu dava-lhe mas era um choque de alta voltagem, ou tensão, ou lá o que é.

lampadinha disse...

pronto, ok já percebi, o mexia cortou-te a luz, daí este apagão.

Anónimo disse...

[url=http://kaufencialisgenerikade.com/]cialis[/url] cialis bestellen ohne rezept
[url=http://acquistocialisgenericoit.com/]acquisto cialis[/url] acquisto cialis
[url=http://comprarcialisgenericoes.com/]comprar cialis[/url] cialis generico andorra
[url=http://achatcialisgeneriquefr.com/]generique cialis[/url] prix cialis en pharmacie

Anónimo disse...

http://achatcialisgenerique.lo.gs/ cialis vente
http://commandercialisfer.lo.gs/ cialis achat
http://prezzocialisgenericoit.net/ cialis online
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis