18/10/11

Se eu fosse professora mandava o José Luís Peixoto ir pentear macacos

"(...) Basta um esforço mínimo da memória, basta um plim pequenino de gratidão para nos apercebermos do quanto devemos aos professores. Devemos-lhes muito daquilo que somos, devemos-lhes muito de tudo. Há algo de definitivo e eterno nessa missão, nesse verbo que é transmitido de geração em geração, ensinado. Com as suas pastas de professores, os seus blazers, os seus Ford Fiesta com cadeirinha para os filhos no banco de trás, os professores de hoje são iguais de ontem. O acto que praticam é igual ao que foi exercido por outros professores, com outros penteados, que existiram há séculos ou há décadas. (...) DAQUI

Pastas de professores?! Blazers?! FordFiesta? Cadeirinhas para os filhos no banco de trás?! PENTEADOS!!!
Isto sim, é a decadência.

13 comentários:

Fado Alexandrino disse...

Este José Luis Peixoto é o José Luis Peixoto do qual o Marcelo Rebello de Sousa leu o livro ainda não publicado "Abraço" e que classificou como o Romance de Todos os Romances?

Ana Cristina Leonardo disse...

o mesmo

Carlos Azevedo disse...

É de fazer chorar as pedrinhas da calçada...

sem-se-ver disse...

falso, falsíssimo!


os profs nao andam de ford fiesta - que ofensa!-, andam de opel corsa, renault clio e fiat puntos!!!

Ana Cristina Leonardo disse...

sem-se-ver, e quanto a penteados, que te diz a tua experiência?
-:)

fallorca disse...

Vá, responde... não te faças de «sem-se-ver»

(Leoparda, está um tempo do caraças. Apareces pela Porta Velha?)

Ana Cristina Leonardo disse...

Fallorca, estou, infelizmente, a norte.

sem-se-ver disse...

o meu continua igualzinho, mas, com a idade, estou a deixá-lo crescer a níveis imagináveis até ha uns anos: é o peso da idade... mas regra geral andamos com os cabelos lavadinhos e os penteados são sempre os mesmos - os que não exijam cabeleireiro para além dos cortes periódicos. nada mudou, portanto.

de resto, somos todos uns pirosos sem remissão, particularmente por causa de um pequeno pormenor: como ganhamos chorudamente e somos imensamente privilegiados, qualquer t-shirtzita e calça de ganga da feira serve a função. graças a deus que nao temos de gastar, dos nossos imeeeensamente bons ordenados, em trapos de espécie fashionista.

fallorca disse...

E disse, fiufiu...

henedina disse...

Mas foi a manifestação dos indignados e falou. Tem mais coragem que outros escritores.

Ana Cristina Leonardo disse...

henedina, lamento, mas do ponto de vista literário isso não acrescenta um chavo; continuo indignada

henedina disse...

Lamente o orçamento mas não lamente lamentar o discordar acerca disto.
Embirrações na etiqueta foi um acto falhado?

Ana Cristina Leonardo disse...

Embirrações na etiqueta foi um acto falhado?

Não, é um acto bastante consciente