04/09/09

Nunca pensei vir a apoiar a manuela moura guedes

Não vejo televisão e nunca vi o telejornal apresentado pela Manuela Moura Guedes.
Há muitos anos, quando ela decidiu que queria ser deputada, entrevistei-a. Achei-a vaidosa, ingénua e com falta de mundo.
Da actual jornalista, recordo uma música que ela cantou na juventude e aquele gesto de cabeça à Miss Piggy enquanto anunciava pleonasticamente: «Olá, boa-noite! Sou a Manuela Moura Guedes».
Agora, como toda a gente, sei que o Jornal Nacional de sexta-feira foi suspenso. Acusou-se Juan Luis Cebrián, presidente da Prisa, grupo espanhol que manda na TVI e não esconde simpatias pelo partido de Zapatero, de ser responsável pela medida. Entretanto, a Prisa veio desmentir, dizendo que a decisão foi tomada pela direcção de Lisboa.
No meio disto tudo, cita-se Sócrates (antes de se ter travestido em santinho) mais a sua aversão confessa pela Manuela Moura Guedes.
Não faço ideia se alguém pegou no telefone. Não faço ideia se alguém foi dar recados. Não faço ideia se alguém anda a pensar no futuro. Que o silenciamento, a tão pouco tempo de eleições, é conveniente, é. Embora possa também tornar-se incómodo por confundido com censura.
Como vivemos em pleno darwinismo político (e Darwin não é para aqui chamado mas sim Spencer), entregues a gente sem crédito nem insónias, acho que tudo é possível.
É que os denominados mais fortes são demasiadas vezes os mais estúpidos. Como a História dos homens vem provando à exaustão. E só por isso não me admiraria nada.

23 comentários:

Anónimo disse...

se uma manela incomoda muita gente
duas manelas incomodam muito mais

Anabela Magalhães disse...

Subscrevo, Ana Cristina. Eu também nunca fui cliente do Jornal Nacional de Sexta por não gostar do estilo... mas daí a silenciar a voz incómoda a uns poucos dias das eleições vai uma grande distância.
Só não estarei na manifestação de logo porque estou a grande distância de Lisboa.

Anónimo disse...

Juan Luis Cebrián Echarri, Director de los Servicios Informativos de la TVE franquista, en 1974 durante el Ministerio Arias Navarro......

Carlos Azevedo disse...

Como escrevi lá no meu sítio, há qualquer coisa que cheira muito mal em todo este episódio do fim do Jornal Nacional de Sexta da TVI. Longe de mim defender o Governo, sobretudo este Governo, mas não creio que o Primeiro-Ministro cometesse um erro destes a poucas semanas das eleições.
Claro que, como a Ana diz, tudo é possível, os denominados mais fortes são demasiadas vezes os mais estúpidos e não me admiraria nada. Mas, sinceramente, não creio.

Carlos Azevedo disse...

Em todo o caso, a verdade é que vivemos no meio de um lamaçal, político e não só.

(Já agora: há algum sítio onde se possa encontrar essa entrevista à Moura Guedes? Ou, pelo menos, sabe dizer-me em que data foi publicada? Confesso que fiquei curioso.)

Táxi Pluvioso disse...

Então uma empresa privada já não pode fazer o que lhe der na real gana? Ou isso só está reservado aos bancos.

Lamento é a perda do símbolo sexual na pantalla, que era a Guedes, e o Pulido também.

Anónimo disse...

Ana

O seu post é uma longa insinuação sem quelaquer concretização. É uma coisa deste tipo: se a minha avó tivesse rodas era uma vespa piaggio porque já vi porcos a andarem de bicicleta.

Francisco

N. disse...

Não sei, mas até um adolescente saberia que esta decisão teria audiências superiores a qualquer notícia sobre Cristiano Ronaldo (para quem não faz ideia de que seja: é um jogador de futebol), falar-se-ia disto em todos os órgãos de comunicação, mesas de café, até em solitárias prisionais (isto das solitárias, tem um pouco a ver com o comentário do Táxi sobre ser sexy e tal). O objectivo não pode ter sido simplesmente silenciar uma voz incómoda, porque o efeito disto é dar ouvintes a essa voz.

"É que os denominados mais fortes são demasiadas vezes os mais estúpidos"
pois. mas caramba isto é tão avassaladoramente estúpido.

Maquiavélico, perfeito,seria ouvir a Moura Guedes dizer baixinho a alguém: arrumei-o de vez, sem sujar os dedos e sem abrir boquinha.

N. disse...

segundos depois devo dizer(a mim e a vós que lestes) em meu desfavor: pá, N., os politicos são engenheiros e a Manela é apresentadora de TV, não são propriamente criativos com o enredo do ardil.

enfim. não sei.

José Ricardo Costa disse...

É que à mulher de César não basta ser séria. E quando não se faz muito para o parecer, depois, sofrem-se as consequências,independentemente de se ter ou não razão. O PS do engenheiro não tem feito grande coisa para o parecer. Depois, queixam-se.

JR

N. disse...

devo dizer que quem do PSD comentou o caso, logo de pronto e de ar lavadinho, também foi estúpido ao ponto de não prever que iria ouvir na resposta o assunto Marcelo Rebelo de Sousa em situação semelhante.
Concluindo: são burros.
e feios.

João Lisboa disse...

"sem abrir boquinha"

Sem abrir quê?...

António Figueira disse...

V.Exa erra (num ponto):
Há que ver televisão, imensa televisão, porém apenas ao sábado, imenso ao sábado, dia das overdoses de futebol inglês (quanto ao resto, está incomodamente certa: a ideia de justificar com o mau-gosto do Jornal de MMG o péssimo gosto de lhe torcer o bico é de pior gosto ainda). Saudações, AF

rui disse...

a coisa mais chata deste caso é que uma significativa parte da opinião pública recebeu a novidade com alívio. Parece que ninguém percebeu isso.
O que é mau para a democracia pelo abuso que representa da parte da administração da empresa.
é mau para o PS porque o asco que a maioria das pessoas ganhou à sujeita é tal que seria bem vinda toda a campanha negativa que ela pudesse fazer.
é bom para o PSD porque aí está uma boiazinha para manter à tona o dejecto de campanha eleitoral que tem feito.
é mau para a restante esquerda porque apesar de tentar entrar na carruagem do comboio do "condicionamento da opinião pública" do PSD vai perder tempo de antena à custa da "libertária".

Anónimo disse...

A coisa mais chata deste caso é que os espanhóis pagam as favas do engenheiro sem vergonha, amigo de um sapateiro ou de outros que pelas bandas de Alcochete tocam rabecão e fazem negociatas.
É mau porque o asco que provocam os "analistas" de blog não tem limites.
É bom para a esquerda cadavérica fingir que acredita numa democracia podre e traída.
É mau para a restante esquerda que confunde libertários com libertinos.
E isto de ser anónimo, de usar pseudónimo, de ser pedro, joaquim ou rui é tudo a mesma treta.

rui disse...

belo discurso.
venha de lá essa análise sem aspas, venham os anónimos devidamente identificados.
venham os "límpidos discursos" dos que nem percebem o ridículo da contradição entre as tiradas gratuitas de ódio irracional desencabrestado ao "engenheiro sem vergonha, amigo de um sapateiro ou de outros(???)" e a teoria da "liberdade amordaçada".

madmax disse...

Isto realmente é mesmo meditação de pastelaria.
É muito triste ler este tipo de peixeiradas e bardajeiras na Blogoesfera.
Pergunto-te se alguma vez pensaste que enxuvalhar, denegrir, difamar, levantar falsos testemunhos e acusar sem provas uma figura de estado, que por acaso até é o Primero Ministro eleito democraticamente pelos Portugueses não é qualquer coisa de profundamente anti-democrático e reaccionário?
Quando estive no Liceu, ensinaram-me uma coisa que se chamava código deontológico dos jornalistas?
Sabes o que é?
Porque é que tenho a sensação que nenhuma dessas vacas e nenhum desses porcos que escrevem para os jornais e que fazem pseudo-jornalismo na televisão o respeitam?
Ha pois é!!!!
Parece que afinal é muito fácil exigir respeito da democracia quando não somos nós que a respeitamos.

Ana Cristina Leonardo disse...

Anabela, percebo o seu comentário mas tb. acho que essa coisa do estilo é absolutamente secundária

Anónimo, é o mesmo?

Carlos, a responsabilidade política parece-me óbvia (andar um primeiro-ministro a referir-se a telejornais travestidos é no mínimo de muito mau gosto)

Francisco, a minha avó nunca teve rodas

N, a única coisa que sei é que a MMG chateava o sócrates e agora já não chateia (mas como algumas luminárias do PS já vieram dizer a público, isto foi tudo urdido pela MMG que se suicidou só para chatear o Primeiro...). Quanto ao Marcelo ele já se pronunciou e não atenuou o caso por já lhe ter acontecido o mesmo a ele.

João, boquinha calada e mai nada

António, para quem mandou construir aquelas casinhas o Sócrates anda muito preocupado com o mau gosto...

Rui, a coisa mais chata deste caso é o atropelo à liberdade de imprensa (eu tb. acho o CM uma merda e não ando a anunciar que não devia existir)

Anónimo, os espanhóis já disseram que não tinham nada que ver com o caso

Rui, a censura tem tantas formas...

madmax, mantendo o tratamento por tu: vacas e porcos é argumento finíssimo e deontologicamente irrepreensível, não achas?

J. Campos Alves disse...

A burgessice patente em alguns comentários de admiradores do falso engenheiro não surpreende.
Essa gente não só não consegue ver a floresta que se esconde atrás da árvore como pensa que a peneira serve para tapar o sol.
Vão ter uma grande surpresa no fim deste mês.

rui disse...

Abençoado filtro Campos Alves, que só te permite ver "Burgessices" nos comentários de apoio ao Engenheiro. Que de resto não te surpreendem (???).

Campos Alves disse...

Engenheiro? Com maiúscula?
Olha, vai-te tratar!

Ana Cristina Leonardo disse...

Carlos Azevedo, a entrevista saiu num número da revista ELLE do período em que MMG se candidatou a deputada pelo CDS (perto das eleições)

rui disse...

ora, bom Campos, um bocadinho de esforço, o bestuntinho a trabalhar em alta rotação, e... aí está um comentário de luxo. e quem dá o seu melhor, a mais não é obrigado.
Parabéns.