27/04/08

Não consigo descarregar directamente mas POR FAVOR cliquem. E que a ASAE feche já a Pastelaria se este não é um imperdível momento de poesia...

19 comentários:

Joana Lopes disse...

Ainda estou de boca aberta...
Não se arranja na Sic N? Deve estar só o programa inteiro.
Vou ver se há um jeitoso que tire só o fim...

Ana Cristina Leonardo disse...

joana, se conseguir avise
boca aberta é pouco... há gente internada por menos

Joana Dalila Santos disse...

Boa semana

CristinaGS disse...

Sabe, Ana Cristina, o que eu não consigo comprender é a promoção de tais figuras. Há uns anos atrás não era sobre ele que pairava a insinuação de liderar movimentos xenófobos e afins? Então o que é que se passa? Parec e-me mais um elemento para coleção onde a Ana Cristina "arrumou" os pides com boas reformas no post anterior. Que m---a de gente! Boa semana

Anónimo disse...

tão merda tão merda
a sina da vida
o conto da merda tão
tão contas que ganhaste
tão merda tão merda




tão merda. ´É verdade tão merda
Mirim

Táxi Pluvioso disse...

Se fosse um telefone seria trim trim. Quando se está bem na vida, a poesia brota mais livre, a fome é que faz sair coisas como o Bocage ou o Camões.

Fico descansado. As letras portuguesas estão bem entregues, estava a ver que tinha que gramar com o Graça Moura.

fallorca disse...

Ai qué tão, tão badalo de cagalhão... Depois eu é que fumo charros e eles é que ficam assim, tá bem, estamos esclarecidos.

N. disse...

aqui não consigo ouvir nada, fui lendo, portanto, aquilo acaba em silê? quéqueraio é silê? Não reconheço as fuças do tipo (nada de novo, eu tenho péssima memória para lavadinhos e engraxadinhos)mas o que me está mesmo, mesmo, a fazer comichão no sótão (pulgas já eram, fallorca, agora é piolhama)é aparecer o nome de Mário Crespo, tanto aqui nas tags como lá nos comentários. O que é que o dito Mário tem a ver com isto? (saberei quando ouvir talvez...)

Ana Cristina Leonardo disse...

n, o crespo é o diseur

fallorca disse...

n... francamente, que falta de queda pró precipício poético: o poema é do capelão da Guimarães Editora, a voz de valquíria, segundo dizem, é do Mário Chiffon... ou encrespado, fonix

N. disse...

Obrigada.
Esclarecida. E em tempo, retiraram o vídeo.
o próximo passo pode ser da ASAE...

Ana Cristina Leonardo disse...

E em tempo, retiraram o vídeo.

o vídeo continua lá, tão, tão, tão...

fallorca disse...

Isto hoje vai ser cá um repenicar, tão, talin, tão, talão... aposto

manuel disse...

Afinal o Hitler era melómano Cristina

N. disse...

Continua, sim. Acabei de ouvir. Não consigo parar de rir, não consigo assimilar que aquilo tenha passado num canal de TV que tenha sido escutado e dito com ar compenetrado, sério (não fosse quem é a dizê-lo e eu ia jurar ser gozo, maldade, sacanice).

e não tem esta gente vergonha de sair à rua?

susana disse...

é absolutamentíssimo maravilhoso.

bruno disse...

não me lixem, o mário é o maior!
(isto até parece bosch é bom)

N. disse...

de certo modo concordo, bruno, se bem que ele podia ter-se esforçado um bocadinho mais a arrastar o tão, tão, tão, e na palavra «bate» «bate» assim um suspiro de alívio arrastado e ainda mais nasalado. Vendo bem aquilo é um mundo de possibilidades, com tanto «bate» «badalo» e «tão»

fallorca disse...

É infalível, sempre que mete badalo, exigem logo tãotão, salvo uma ou outra discreta excepção.
Rimou? Contratem o Crespo Hespanha, o diseur