05/07/07

A book a day keeps the doctor away

Com a chegada da silly season, é hábito considerar-se que há mais tempo para as letras. Não sei se isto é verdade ou não, porque a minha média de leitura mede-se, não pelo tempo de ócio, mas pelo número de quilómetros percorridos de comboio. Mas, para não destoar das altas temperaturas, este post inicia uma visita às prateleiras mais poeirentas das minhas estantes. Livros antigos, alguns deles esgotados nas livrarias oficiais, mas que ainda se encontram por aí. Começo por uma obra-prima chamada Debaixo do Vulcão, de leitura nem sempre digesta, e mesmo absolutamente indigesta nas últimas páginas. Para dizer a coisa como deve de ser: um valente murro no estômago. Em tempos apaixonei-me por um homem, por causa deste livro. Mas isso sou eu, que, já antiga, ainda sou do tempo em que os livros eram matéria de engate. Debaixo do Vulcão (no original Under the volcano), Malcolm Lowry, Livros do Brasil

6 comentários:

manuel disse...

No se puede vivir sin amar....Comecei a ter pancada pelo México por causa deste livro, deste e do on the road....não consegui engate algum.

ana cristina leonardo disse...

se calhar eu sou mais antiga

Armando Rocheteau disse...

"a mente tem abismos insondáveis", cito de cor uma frase do livro.
Devo ser ainda mais antigo. Continuo a engatar e a ser engatado com livros.

ana cristina leonardo disse...

Muito me apraz sabê-lo. Pensei que era um método completamente fora de moda. Mas reconheçamos que, já no meu tempo, não era um método sem risco.

Rogério Matos disse...

Cara Ana Cristina: Acabo de a meter num cabo dos trabalhos. Sim, eu sei, há convites que não se fazem. Sorry, sorry... O convite está aqui: http://insustentavelmente.blogspot.com/2007/07/as-ltimas-5-leituras.html

delfim disse...

eu também me apaixonei por 1 homem por causa e efeito deste livro...chama-se malcom lowry.O romance é ,na maior parte dos casos e affaires,uma muito frugal forma de vida, 1 cigarro arrefecido em beata e logo num transbordante cinzeiro ajaezada...este livro ,consanguineo em tragico destino ao autor, é por excelência a excpção...Bom e mui acre gosto!