27/06/07

Se hablará gallego en Serralves?

«Antes, o roteiro da arte contemporânea acabava em Madrid. A partir de hoje, começa aqui», José Sócrates a propósito da inauguração do Museu Berardo.

11 comentários:

Anónimo disse...

tem razão. mas.
sucede que a colecção do museu de serralves não tem a relevância da colecção berardo. é sobretudo constituída por arte portuguesa com alguns paralelismos que a situam internacionalmente. havendo alguma parolice no comentário de sócrates, há verdade nisso de ter, esta, uma dimensão incomparável com qualquer outra, de arte contemporânea, em território português.

Anónimo disse...

ah!

susana :)

ana cristina leonardo disse...

Caro anónimo, a questão é precisamente essa: a parolice.

Anónimo disse...

ana, o anónimo era eu, esqueci-me de assinar, daí o segundo comentário.
quanto á parolice, enfim, cabe bem nas minhas expectativas.

Anónimo disse...

outra vez, é da falta de hábito: costumo usar o link que já conheceu, quando comento no blogger.
para que fique em acta: os três comentários supra que não são da ana são meus.

susana

ana cristina leonardo disse...

Susana: isso é que foi teclar! Quanto à parolice, o que faz impressão é que parece que ninguém dá por ela. A festa oficiosa de inauguração do Museu Berardo lembra uma coisa do antigamente, só faltando o corta-fitas de serviço! O Berardo cumpre o papel dele, esperava-se que o poder político cumprisse o seu...

Anónimo disse...

Ò José! Vai mas é comer umas tapas e beber umas canhas a Madrid. Pode ser que isso te passe.

Leão de Porches

Fernando Venâncio disse...

«Se hablará gallego...?».

Fiquei cinco minutos e trinta e oito segundos a pensar que língua era essa. Não cheguei a conclusão nenhuma.

ana cristina leonardo disse...

que propões, fernando, embora não tenhas concluído nada?

fernando venâncio disse...

1. A afirmação de Sócrates é pacóvia.

2. Em Serralves (e, de resto, em Belém) fala-se galego há nove séculos.

3. Referir-se ao galego, Ana, usando castelhano, não lembra ao diabo.

ana cristina leonardo disse...

dá-me lá o título em galego, que eu mudo já.
um abraço