24/06/07

Blair foi ao Vaticano. Qualquer dia vem a Fátima. Qualquer dia fuma

A mulher e os filhos são católicos. E a visita de Tony Blair ao Papa Ratzinger, cognome Bento XVI, fez disparar as especulações: estará uma conversão na calha? Tudo leva a crer que sim.
Compreende-se, assim, melhor, a irritação do jornalista inglês Francis Wheen contra o primeiro-ministro britânico, no brilhante (e hilariante) livro de 2004, How Mumbo-Jumbo Conquered the World As referências críticas são muitas. Fiquemos por um simples exemplo.
Quando perguntaram a Blair se «estaria de acordo em permitir o ensino do criacionismo em paralelo com a teoria darwinista da evolução nas escolas públicas (...) um simples "não" seria com certeza a única resposta possível (...) não foi essa que ele deu. Blair disse a Jenny Tonge que os criacionistas da cidade de Gateshead estavam a fazer um esplêndido trabalho: "Afinal, um sistema de ensino mais diversificado trará melhores resultados para as nossas crianças" (...) E se algumas escolas informassem os seus alunos de que a Lua era feita de queijo suíço, ou que as estrelas eram a grinalda de flores de Deus? Seria isso oficialmente acolhido como outra boa consequência do "sistema mais diversificado" de Blair?»
Ou seja, e para resumir: a Wheen já lhe cheirava a beatice há muito tempo.

3 comentários:

ch disse...

Para ir ao vaticano, o homem já deve fumar. Cigarros sem filtro.

João Lisboa disse...

Já espreitaste a Church Of The Flying Spaghetti Monster?

(tenho o link no "Provas de Contacto")

ana cristina leonardo disse...

João, roubei-te o link. já cá canta também. e que a Força se mantenha contigo